THE RICE EXPERIENCE

let food be the medicine

Hiperactividade Origina Graves Dificuldades De Aprendizagem

leave a comment »

HAPPY-CHILDREN2Se te sentires inseguro a subir a uma escada, agarras-te ao corrimão para te apoiares. O mesmo acontece com uma criança hiperactiva em relação à escolha dos melhores alimentos que promovem o equilíbrio da sua química cerebral. A Hiperactividade provoca problemas de concentração, torna as crianças impulsivas, descontroladas. As que mudam para uma dieta equilibrada, descobrem uma nova forma de viver.

Em alguns casos, identificar as intolerâncias alimentares removendo-as da dieta, eliminam a Hiperactividade. Pelo menos, proporcionar uma dieta saudável é a melhor forma de tratarmos dos que amamos e de nós próprios. De seguida mostraremos os alimentos que devemos evitar, assim como os que ajudam a tratar este problema.

Uma coisa é querermos dar a melhor dieta aos nossos filhos, a outra é termos sucesso ao fazê-lo. A melhor forma de melhorar a dieta do seu filho é participar e mudar a sua dieta também. Isto requer uma selecção mais cuidada dos produtos a comprar. Não faz sentido a criança comer uma coisa e os pais continuarem com a sua alimentação antiga. O que faz mal à criança faz mal aos pais, até porque é injusto para a criança se sentir excluída. Esta mudança pode ser feita de forma a possibilitar à criança participar na concepção dos pratos: poderá ajudar a dar vida e a aguçar o apetite.

Alimentos recomendádos:
Gorduras saudáveis: as gorduras são de extrema importância para o bem-estar físico e mental porque saciam. Boas fontes de omega3 (óleo de fígado de bacalhau orgânico, ovos biológicos, salmão de alto mar, sardinhas, carapaus, procurar sempre peixes de alto mar), manteiga ou óleo de coco bio, queijo de cabra bio, manteiga de vaca sem sal bio, azeite de 1ª pressão a frio bio. Não use óleo de canola, soja, girassol ou de milho.

Proteína: Peixe de alto mar (4x por semana), ovos bio (1x por semana), carne bio em moderação (2x semana), grãos, feijão azuki, feijão manteiga/branco/preto/frade. Atenção que os feijões carecem de cozedura feita em casa, visto que a alternativa já cozinhada e embalada está cheia de químicos e conservantes e não é aconselhável.

Vegetais: De forma a tornar a alimentação divertida, use vários vegetais cozinhados de diversas maneiras. Dê ênfase ao agrião, nabiça, grelo, cenoura, nabo, batata-doce, feijão verde, cebola, brócolos, couve-flor, abóbora, cebolinha, beldroegas, couve coração, couve portuguesa, aipo, salsa, coentros, endro, cogumelo shitake.

Minerais: Não subestime o poder nutritivo dos vegetais aquáticos. As algas são super ricas em vitaminas, minerais e proteínas. E existem na costa portuguesa, não servindo de desculpa para quem o classifica como alimento oriental.

Cereais Integrais: Existem dois tipos de hidratos: os simples e os complexos. É pena ainda existirem nutricionistas que não percebam a diferença entre eles. Os simples são desnutridos de vida, super processados. Estamos a falar do açúcar, seja ele de que cor for. Desmineralizam, destroem a flora intestinal, sobrecarregam rins e fígado, assim como esgotam o oxigénio do corpo. Enfim, se é mau demais a sua existência, muito pior é o seu consumo. Dão uma energia rápida, provocando dependência física e psicológica. Quando falamos dos complexos estamos a falar dos cereais na sua versão mais genuína, como por exemplo e por ordem de importância: arroz integral, millet, trigo sarraceno, cevada, centeio, amaranto, boulgur. Promovem o bem-estar físico, são digeridos de uma forma calma, proporcionando relaxamento, maior capacidade de concentração, assim como maior capacidade de lidar com as adversidades da vida. Dão uma energia menos explosiva do que os hidratos simples, mas muito mais duradoura e fluida.

Alimento a excluir:
1 –Açúcar – quer seja do açucareiro, quer seja de produtos processados. Para percebemos do que estamos a falar, até o presunto do Continente tem açúcar. Talvez seja a hora de começar a vasculhar os nomes dos ingredientes.

2 – Açúcares artificiais – presentes nos produtos light e diet, são eles o aspartame, os edulcorantes.

3 – Alimentos com aditivos, conservantes e colorantes – Quase todos os nomes estranhos que aparecem na lista dos ingredientes são provenientes desta categoria.

4 – Estimulantes/Refrigerantes – Todos os que não dizem 100% sumo de fruta.

5 – Químicos – são todos os nomes esquisitos que não entram na categoria 3.

6 – Gorduras hidrogenadas (margarinas e manteigas), Trans-Saturadas (fastfood, congelados), óleos refinados (bolachas e snacks doces que as crianças adoram).

7 – Leite e Lacticínios provenientes da vaca.

Baseado num artigo de Rebecca Wood

Não tenhas medo da mudança. Sabes melhor que ninguém de que as transformações mais profundas e complicadas são as que trazem maiores frutos. A perseverança e a rotina facilitam a criação de hábitos. O que hoje é complicado, amanhã torna-se simples. Nada como sermos nós a tratar de nós.

Anúncios

Written by thericeexperience

Janeiro 21, 2014 às 2:39 pm

Publicado em Doenças

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: