THE RICE EXPERIENCE

let food be the medicine

Archive for the ‘Curiosidades’ Category

A Resposta Da Dinamarca À 1ª Grande Guerra

leave a comment »

Durante a 1ª Grande Guerra, a Dinamarca encontrava-se isolada e bloqueada, ao ponto de faltar comida, criando uma possibilidade forte de surgirem casos de má nutrição. Mikkel Hinhede, super intendente do Danish State Institute of Food Research, foi apontado como conselheiro nutricional do governo. Hinhede não só resolveu o problema, como reverteu a situação difícil que o país vivia.

Anos antes da guerra, a Dinamarca importava cereais a preços baratos. Os agricultores alimentaram porcos, vacas e aves, e exportavam ovos e manteiga para a Inglaterra. Os Dinamarqueses alimentavam-se á base de ovos e carne. Depois do bloqueio, a importação de cereais cessou, resultando numa escassez de alimento para 5.000.000 de animais e 3.500.000 pessoas.

De imediato, Hinhede ordenou que 4/5 dos porcos e 1/5 das vacas fossem mortos, de maneira a que maior quantidade de cereais ficasse disponível para consumo humano. Estas medidas diminuíram drasticamente o consumo de carne. Hinhede limitou também a produção de bebidas alcoólicas, sabendo que os cereais eram muito melhor empregues na produção do pão Kleiebrot. A população começou a comer papas de aveia, vegetais, leguminosas, frutas e menos quantidade de leite e manteiga.

De Outubro de1917, aOutubro de 1918, período mais duro da guerra, os Dinamarqueses tornaram-se o povo mais saudável da Europa. Em um ano, os casos de cancro diminuíram em 60%, assim como a mortalidade em 40%.

Depois da guerra, fim dos bloqueios, os Dinamarqueses voltaram á sua dieta “normal”, subindo os casos de cancro e taxa de mortalidade.

Baseado num texto do livro “Macrobiotic Way” de Michio Kushi

Anúncios

Written by thericeexperience

Julho 25, 2011 at 12:50 pm

Publicado em Curiosidades

Daniel Recusou A Comida Divina Dos Ricos

leave a comment »

Durante o cativeiro da Babilónia, o Rei Nebuchadnezzar ordenou que os jovens israelitas sobredotados fossem trazidos a tribunal de forma a serem integrados nos serviços do governo. O braço direito do Rei  Malasar tinha ordens para alimentar estes jovens com a melhor carne e vinho existentes no reino. Daniel e mais três companheiros recusaram serem alimentados com a comida divina dos ricos,  e em vez disso pediram pratos simples de cereais e vegetais, aos quais estavam mais habituados. Malasar respondeu que tal era impossível porque lhe cortavam a cabeça. Fazia parte das regras de admissão seguir uma alimentação dita divina, de carne e vinho.

Daniel respondeu, “Então façamos um teste, durante 10 dias alimentem-nos com cereais, vegetais e água e no fim desse período comparem o nosso aspecto com o dos outros jovens que seguiram uma alimentação real. Depois de verificarem as diferenças, analisem e tirem as vossas conclusões.”

Passados os 10 dias, Daniel e seus três companheiros encontravam-se mais saudáveis e com melhor aspecto do que os seus colegas, e desta forma o Rei levantou a imposição alimentar, permitindo os cereais e vegetais.   

 

O livro de Daniel retrata a extraordinária visão profética de uma sucessão de impérios, desde Nebuchadnezzar, o Rei da Babilónia, por volta de 600 a.c. até ao Império Romano que chegou ao poder no ano de 241 a.c.. O capitulo 11 do Livro de Daniel relata vários acontecimentos que percorrem vários séculos, desde Cyrus o grande, passando pelo reinado do anti-cristo. Daniel previu vários acontecimentos  importantes de  natureza histórica, tendo muitas das suas previsões já acontecido.

Texto ‘The Rice Experience’, baseado em ‘Book of Daniel 1:8-17’0

Written by thericeexperience

Janeiro 21, 2011 at 11:41 am

Publicado em Curiosidades

Os Efeitos Secundários Do Micro-ondas

with one comment

Somos como as empresas. Estamos sempre em constante análise. A nossa mente analisa os custos que temos, o tempo que inutilmente perdemos, as amizades que fazemos e as chatices e problemas em que nos envolvemos. Como resposta estabelecemos horários, metas, desdobramo-nos e desdobramo-nos, na esperança de que as horas do dia aumentem, para fazermos cada vez mais. Á primeira vista parecemos atletas de alta competição, mas na realidade a energia que emanamos é traduzida pelo cansaço e stress. É difícil encontrar uma pessoa que não esteja cansada, ou stressada, ou cansada e stressada. Arrisco-me a dizer que o cansaço e o stress, são os vírus mais contagiantes e poderosos que alguma vez existiram.

Durante o percurso do Homem surgiram sempre inventos que tornaram a nossa vida mais simples. Como o tempo é escasso, economizar uns minutos aqui, outros ali, dão dias ao final de um ano de vida. O micro-ondas foi um desses inventos. Surgiu, por acaso, de um radar e hoje encontra-se presente em praticamente todas as casas. Simples e prático, a sua utilização permitiu que a nossa mente fizesse um brilharete, a apontá-lo como principal economizador de horas de vida. Porque é que fugimos da cozinha a sete pés? Será que o facto de cozinharmos cada vez menos, traz efeitos nocivos na nossa saúde? Será o micro-ondas um invento tão benéfico para as nossas vidas? Deixamos aqui um pequeno texto de Michio Kushi do livro “The Macrobiotic Path to total health”:

“A vibração intensa provocada pelos micro-ondas, afecta a integridade celular dos alimentos e das pessoas… Estudos médicos demonstram que a comida exposta ao micro-ondas provoca alterações no sangue e no sistema imunitário… do ponto de vista energético, esses alimentos possuem efeitos expansivos, que contribuem para a destruição, deterioração e decomposição das células. Cozinhar com fogão eléctrico, não é tão mau como cozinhar com micro-ondas, mas promove disfunções ao nível do sistema digestivo, circulatório e nervoso, produzindo um efeito de enfraquecimento geral, incluindo dificuldades ao nível cognitivo.”

Vale a pena “perder” tempo na cozinha?

Written by thericeexperience

Novembro 22, 2010 at 11:41 pm

Publicado em Consciencia, Curiosidades

Água, A Fonte Da Vida Eterna

with 2 comments

Os fluidos do corpo, incluindo o sangue e a linfa, carregam as mesmas toxinas que a água, ar, e cadeia alimentar, mas em concentrações maiores. Nesta perspectiva, a razão da falta de vitalidade das pessoas é obvia: Rins e fígado – os filtros de toxinas e desperdícios – estão saturados com químicos e toxinas venenosas provenientes dos nutrientes dos alimentos processados. A energia do nosso organismo é fornecida pelas glândulas adrenais, ficando a gestão dessa energia entregue ao fígado. Se estes órgãos forem obrigados a trabalhar em continuo para limpar o corpo de toxinas, sobra pouca energia para a actividade do dia a dia.

Se insistirmos no estilo de vida actual, teremos uma epidemia de doenças relacionadas com excesso de toxinas, que resultam numa quebra total do nosso sistema imunitário, doenças mentais e degenerações físicas.

Todos nós temos a responsabilidade de reunir esforços que ajudem a purificar e a tratar o planeta, começando na auto-desintoxicação. Desintoxicar significa escolher melhor os produtos que compramos, livres de químicos. Uma mudança na alimentação para produtos biológicos, não é mais cara, ao contrário do que se pensa, é muito mais barata. (ed : caso queira receber um plano de ajuda, solicite-o através do nosso email). Desta forma forçamos os produtores a mudarem os seus métodos químicos para métodos mais naturais.

Vivemos na era da água poluída, é necessário a sua purificação sem recurso a químicos, que são nocivos para o nosso organismo, provocando uma lenta destruição do nosso sistema imunitário. A excepção são os poços e nascentes que tenham ultrapassado testes de pureza, livres de químicos e minerais perigosos. A contaminação da água com toxinas artificiais é só uma parte do problema. A água dos poços, de uma área de agricultura biológica tem, na maior parte dos casos, vestígios de alumínio.

O recente documentário da Sic “desta água beberei?” alerta para este problema, mas esquece de referir que colocar químicos na água não o resolve. Tornar a água potável, respeitando parâmetros técnicos definidos como conformes está errado. A água considerada potável é de péssima qualidade e má para a saúde, , agora imaginem aquela que identificam no documentário da Sic como imprópria!!!. Cozinhar com a água em causa é a mesma coisa que bebe-la.Os químicos não resolvem os nossos problemas, acentuam-nos.

Para completar, gostaríamos de aconselhar o documentário “The Fluoride deception”, para tentar perceber melhor os porquês de tudo o que rodeia este assunto chamado água, que é de extrema importância para todos nós.

DOCUMENTÁRIO SIC “desta água beberei?”

DOCUMENTÁRIO “The fluoride deception”

Texto baseado no livro “Healing with whole foods” de Paul Pitchfork

Written by thericeexperience

Novembro 17, 2010 at 1:39 pm

Publicado em Consciencia, Curiosidades

Doenças Degenerativas Vs Alimentação Saudável

leave a comment »

A prova de ligação entre a dieta e a maior parte das doenças degenerativas que afectam o homem moderno crescem de dia para dia, e em áreas como a medicina cardiovascular, não existem dúvidas. Para aqueles que desejam estar informados sobre o conhecimento cientifico, que demonstra que uma mudança de dieta pode alterar o prognostico das doenças degenerativas como o cancro, osteoporose, arteriosclerose, problemas cardíacos, pressão arterial elevada, diabetes, artrites, eu aconselho-os a ler o livro Mc Dougall´s Medicine. De qualquer forma, os que lideram o conhecimento da nutrição moderna podem ajudar as pessoas a ultrapassar muitas doenças. A Macrobiótica é a única dieta responsável por um elevado número de recuperações anedóticas, consideradas incuráveis pela medicina moderna.
Durante um longo período, os médicos voltaram as costas ao papel da nutrição na recuperação. Apesar das recuperações anedóticas através da Macrobiótica, não existe até à data nenhuma documentação científica que as prove. Nesta altura, eu encontro-me a preparar um artigo para um jornal médico a documentar sete casos de uma completa regressão de estados avançados de cancro, considerados incuráveis pela medicina. Mesmo assim não podemos considerar sete casos um numero muito elevado, mas é espantoso porque são casos raros de recuperação total.
Se alguém quer ser saudável, então faz sentido seguir a dieta mais saudável possível. A Macrobiótica oferece às pessoas mais do que uma dieta, oferece as ferramentas para descobrir o poder dos diferentes alimentos, desenvolvendo a destreza de saber o que comer para atingir determinado objectivo. Qualquer pessoa em sintonia com a cultura ocidental que ler este texto pela primeira vez, vai chegar à mesma conclusão que eu cheguei no início, “Isto é tudo uma treta.” De qualquer forma, convido-o a experimentar a Macrobiótica durante dois a três meses, através da sua dieta standard e em seguida experimentar comer um gelado. Desta forma consegue perceber o efeito do gelado no seu corpo e mente. A dieta correcta depende do indivíduo e é uma fascinante aventura descobrir os alimentos ideais para determinada pessoa.
Esta experiencia fascinante e valiosa é bastante gratificante, de qualquer forma não recomendável a doentes terminais. Nestas situações é importante consultar um orientador Macrobiótico com experiencia e seguir as suas sugestões a 100%. Todas os doentes terminais que conheci que recuperaram de doenças graves, seguiram uma dieta estrita, sem devaneios de qualquer espécie, até a doença estar bastante bem superada. Pela minha experiencia e pesquisa, as pessoas que furam a dieta, ou que pensam que sabem mais do que a Macrobiótica tomando vitaminas, não se deram bem. Depois da pessoa não ter sinais da doença durante um ano, pode furar ocasionalmente, mas a Macrobiótica tem de ser mantida como dieta regular, se a saúde for o principal objectivo.

Texto ‘The Rice Experience’ baseado no livro “Doctors Look at Macrobiotics”, da Drª Vivien Newbold.

Written by thericeexperience

Novembro 7, 2010 at 11:49 pm

Christoph Wilhelm Hufeland Receitava Alimentos Naturais

leave a comment »

Filosofo, professor de medicina e médico que viveu no séc XVIII. Tratou de personalidades como Johann Wolfgang von Goethe. Recomendava uma dieta à base de cereais e vegetais, com boa mastigação. Conhecedor em pleno dos riscos para a saúde da carne e açúcar, defensor da amamentação de crianças com leite materno, exercício físico e cura das doenças pelo próprio doente.

Escreveu no seu livro Macrobiotics, or the Art of Prolonging Life, “Quanto mais o Homem respeitar as obedientes leis da natureza, mais tempo vive; quanto mais se afastar do cumprimento das leis da natureza, mais curta a sua existência.”

“O poder curativo da natureza, deve, acima de tudo, ser respeitado e promovido, porque é o único principio em que nos podemos apoiar para tratar eficazmente as doenças que nos afligem. Pode ser conseguido através da não acomodação do nosso corpo, face a tratamentos externos. Nesses casos, a natureza vai ser utilizada mas dependendo de ajuda externa, que com o tempo, acaba por perder o seu poder de assistência eficaz.”

No que respeita a dietas ele concluiu que “a comida dos ricos e com mais nutrientes, através de uma alimentação excessiva de carne, não prolonga a vida. As pessoas que atingiram idades avançadas, sempre foram regradas na sua alimentação, baseada em vegetais e pouca ou nenhuma carne.”

No que respeita ao estilo de vida “o grau civilizacional, em relação ao luxo, requinte e desvios da natureza, que tanto gostamos de enaltecer, ao vivê-lo de uma forma tão intensa, tende a encurtar na mesma proporção a nossa existência.”

Texto ‘The Rice Experience’, baseado no livro ‘Macrobiotics or the Art of Prolonging Life’, de C.W. Hufeland, M.D.,

Written by thericeexperience

Outubro 18, 2010 at 10:05 pm

Os Ensinamentos de George Ohsawa

leave a comment »

A Macrobiótica não é uma medicina empírica desenvolvida por curiosos, nem tão pouco uma ciência mística que cura os sintomas das doenças. É sim, uma concepção dialéctica de como funciona o universo, que chamamos de Princípio Único, que nos ensina o caminho para a liberdade total e completa através da saúde.

A Macrobiótica é a arte de comer e beber com o objectivo de curar qualquer doença, seja ela passageira, crónica ou incurável. É o caminho para o desenvolvimento da inteligência e julgamento, com o objectivo de sentir que nascemos no centro da felicidade eterna.

Se uma pessoa não está feliz, significa que violou – consciente ou inconscientemente – as leis da natureza e a ordem do universo. Podemos compreender a doença e a infelicidade como os nossos guias – alarmes, sinais, e avisos – enviados para nos mostrar os nossos erros e o caminho de volta ao equilíbrio desequilibrado.

A medicina procura fórmulas e comprimidos que têm um efeito directo sobre os sintomas. De todas as terapias, acaba por ser a mais arcaica, mais utilizada, mais destrutiva de todas. Se suprimimos um alarme, um sinal de erro, ignorância, egoísmo, maus hábitos, como será possível termos paz, felicidade e vontade de viver?

Confrontado com a doença e a infelicidade, a consciência do homem moderno é hostil e sofredora. Quer destruir a doença com violência. Ao contrário de um macrobiótico, que a considera sua responsabilidade, perguntando o que fez para ficar doente. A causa da doença precisa de ser encontrada no comportamento da pessoa doente. Toda a felicidade e infelicidade resulta das nossas acções, que são guiadas pela nossa compreensão e julgamento. Esta é a razão pela qual, não devemos nunca atacar os sintomas. A origem da doença é a raiz do problema.

A Macrobiótica é uma filosofia educativa mais do que uma medicina curativa. Ensina-nos a aceitar a responsabilidade das nossas acções – a escolha da nossa comida e as possíveis consequências, resultado das nossas escolhas. A doença é uma prova da violação da ordem do universo. Cada indivíduo é responsável e criador da sua doença, simultaneamente, a sua vítima.

“Macro” significa grande, “biótica” significa vida. É a visão da vida, na verdadeira acepção da palavra.

A Macrobiótica é dirigida aos descontentes. Os que se sentem oprimidos pela vida, contra aqueles que lucram e exploram os mais fracos, económica, física e intelectualmente. É também dirigida aos verdadeiros génios que não se assumem como tal. Existem muitas pessoas que não cabem nestas categorias, porque são demasiado ricos, poderosos, inteligentes ou espirituais, os que naturalmente, são escravos dos bens materiais ou espirituais.

Texto  baseado no livro ‘7 Diet’, de Françoise Riviere 

Written by thericeexperience

Junho 1, 2010 at 10:54 am