THE RICE EXPERIENCE

let food be the medicine

Archive for the ‘Personalidades’ Category

Conhece Os Teus Limites

leave a comment »

Podemos planear ou sonhar qualquer coisa mas o nosso corpo tem limitações, fronteiras. Quem não quiser entender isto vai ficar doente e infeliz. O espírito é ilimitado. Podes pensar em tudo o que quiseres: coisas malucas, coisas divertidas, coisas alegres, coisas tristes, tudo o que te vier à cabeça. Mas o corpo tem limitações.

Uma vez em Anaheim, perto da Disneyland, numa convenção de produtos naturais, onde eu ia participar numa palestra, uns produtores de comida japonesa, convidaram-me para uma festa que se iria realizar depois do dia de trabalho. Depois do jantar serviram uma sobremesa de cheesecake convencional, com açúcar. No dia seguinte fui convidado de novo, onde comi o segundo cheesecake convencional. No terceiro dia aconteceu a mesma coisa. Depois do trabalho participei numa festa e comi o terceiro cheesecake convencional. No dia a seguir desloquei-me para San Diego para uma palestra, e o que aconteceu? Perdi a voz. Senti-me envergonhado. As pessoas perguntaram-me, “O que aconteceu Herman?”. Eu confessei. Observei uma limitação minha. Posso comer dois cheesecakes, mas três são demais! Nós temos que saber os nossos limites.

A Macrobiótica é muito boa porque mostra as nossas limitações no imediato. Senão conheceres os teus limites, podes continuar com algo que se poderá transformar num cancro mais tarde. As pessoas fortes normalmente não conhecem os seus limites por isso, é que existe tanta doença. As pessoas mais fracas conhecem os seus limites bem mais cedo. As pessoas mais fracas não podem comer cheesecake porque ficam doentes de imediato. Eu posso comer dois. Se quiseres que teste de novo o meu limite, estarei sempre disponível.

Baseado num texto de Herman Aihara

Anúncios

Written by thericeexperience

Junho 16, 2014 at 4:35 pm

Publicado em Consciencia, Personalidades

Porque Abandonei A Dieta Macrobiótica Em Prol Do Princípio Unificador

leave a comment »

blind_faith_by_aronback-d4xghy6

Quando Carl Ferré, presidente da George Ohsawa, Macrobiotic Foundation e editor da Macrobiotics Today, vem a público dizer que abandonou a dieta macrobiótica, o mínimo que devemos fazer é dar-lhe ouvidos.

No meu caso, a dieta macrobiótica não funcionou. Fiz uma dieta standard estrita, deixando de consumir os alimentos tidos como impróprios. Depois de anos seguindo o regime padrão vi-me, contudo, sem energia, sem forças para correr e com vários problemas de saúde. Perplexo, interroguei-me: era a minha condição o resultado de uma prática desastrosa ou a consequência de uma dieta que de fato não funcionava?

A minha conclusão, após anos de prática, é que a dieta macrobiótica standard tanto nos pode ser útil como prejudicial. Ela é útil porque qualquer um pode compreendê-la e segui-la. Estão excluídos da dieta os alimentos tratados quimicamente ou excessivamente processados, como o açúcar refinado. Evitar tais alimentos conduz grande parte das pessoas a uma condição saudável. Daí apressadamente se concluir que o que se deve fazer para afastar a doença é ingerir os alimentos permitidos e abster-se dos proibidos.

A dieta macrobiótica standard é altamente prejudicial quando resistimos a mudanças ou recusamos ajuda qualificada porque acreditamos cegamente que a ingestão dos alimentos permitidos nos levará eventualmente à cura. Foi isso que aconteceu comigo. Eu estava convencido da minha melhora. O universo dirigia-me sinais de que era preciso mudar mas, teimosamente, eu mantinha-me firme na dieta padrão. Outro factor prejudicial é o medo infundado de certos alimentos.

A dieta macrobiótica standard está para a verdadeira macrobiótica, como as rodinhas laterais estão para a prática de andar de bicicleta. Logo que nos conseguimos equilibrar, descartamos as rodinhas. Se as instalamos de novo, elas em vez de ajudar, atrapalham. Dá-se o mesmo com a dieta macrobiótica standard. A partir do momento em que aprendemos a usar os princípios macrobióticos, passamos a fazer as nossas próprias escolhas, em vez de seguir cegamente a dieta prescrita.

Quando uma criança aprende a andar de bicicleta sem as rodinhas, recebe uma ajuda preciosa dos pais ou de um amigo, que a encorajam durante certo tempo até que se sinta, segura o bastante, para que os adultos a deixem ir livremente. Na macrobiótica, este encorajamento constitui o trabalho dos educadores, orientadores e amigos macrobióticos.

Em lugar de se continuar a enfatizar a macrobiótica standard, ou mesmo a dependência da opinião de outrem, precisamos estimular as pessoas a abandonar as rodinhas laterais e a confiarem no seu próprio julgamento. Os princípios macrobióticos não são difíceis de aprender e cada um de nós guarda em si uma poderosa intuição. Devemos com ela aprender, confiar e usufruir.

Logo que abandonei as rodinhas laterais (a dieta macrobiótica standard), aprendi a usar os princípios macrobióticos e a confiar em mim mesmo, o medo foi desaparecendo. E com ele as doenças! Continuei a seguir os princípios tanto na selecção dos alimentos diários quanto na de outras práticas saudáveis, e já não temo qualquer alimento da lista proibida. Hoje desfruto a vida sem as rodinhas laterais.

Muitos de nós, baseados em condições pessoais e ambientais, e atentos aos princípios macrobióticos, abandonámos há tempos o arroz integral cozido à pressão. Começámos, também, a ingerir mais saladas frescas, frutas da estação e sucos. Alguém que está a seguir os princípios macrobióticos e a confiar no seu próprio julgamento já fez os ajustes necessários. Alguns precisam de alimentos mais leves; outros, de alimentos mais concentrados. E não esqueçamos que isso pode mudar de dia para dia, de semana para semana, de mês para mês, de estação para estação, de ano para ano.

Em primeiro lugar, aprenda os princípios macrobióticos. Em segundo lugar, aprenda a confiar na sua intuição. Em terceiro lugar, aprenda a reduzir o medo.

Texto retirado do Site Restaurante Metamorfose, no Rio de Janeiro

Written by thericeexperience

Maio 29, 2014 at 9:10 am

Publicado em Consciencia, Personalidades

Sonhos E Espírito

with 4 comments

bscap01651 – O que provoca os sonhos?

HA – Durante o sono, à noite, o espírito deixa o corpo e vai para o céu. Só o sistema nervoso autónomo é que fica operacional. Para algumas pessoas, o subconsciente da mente contínua activo, o que faz com que as visões criem actividade sensorial. Se a pessoa estiver em repouso absoluto os sonhos não surgem.

Se comer galinha ou peru eu sonho nessa noite. Se uma pessoa for saudável e dormir 4 a 5 horas, não sonha. Mas muitas pessoas dormem muito, mais de oito horas, então sonham. As pessoas sonham se foram a pensar quando se deitaram. Os sonhos nocturnos surgem com uma condição mais ácida. Se a pessoa sonhar muito, vai ter dificuldades em descansar. Comer uma pequena porção de sal ou concentrado de umê antes de deitar ajuda porque torna a condição mais alcalina.

 2 – Mencionaste ontem à noite que quando adormeces, deixas a terra permanecendo durante a noite na eternidade. Eu gosto de sonhar e cada vez que o faço, parece que vivo duas vezes. Normalmente como comidas mais condimentadas e picantes de forma a sonhar mais. Desta forma divirto-me muito mais quando vagueio na eternidade.

HA – Mas quando sonhas, não estás no céu. Ficas preso a este mundo. Por isso é que vives duas vezes, de dia e de noite. Se comeres muitos alimentos de origem animal, então vais ficar cada vez mais preso a este mundo. Durante a noite não vais para o céu. Muitas pessoas têm pesadelos. Se fores para o céu então nada acontece, não tens pesadelos. Se fores macrobiótico consegues descansar completamente e viajar pelo cosmos todas as noites.

Baseado numa entrevista a Herman Aihara no Vega Study Center.

Written by thericeexperience

Março 12, 2014 at 9:58 am

Publicado em Personalidades

Conselhos Sábios De George Ohsawa

leave a comment »

untitledNunca vi um doente meu sofrer por falta de comida. Eles comem para satisfazer o seu apetite e, por prazer, comem tudo o que seja tentador e tudo o que vêem. Comem sempre estes alimentos em grandes quantidades, produzindo doenças de vários tipos. Para mim, todas as doenças são provocadas por excessos na dieta. Se ingerires boas proporções de comida, nunca podes ficar doente por comer demais. A quantidade muda a qualidade. Os humanos não conhecem a lei da absoluta necessidade. Bebem e comem o que lhes apetece para satisfazer prazeres sensoriais. Um bom apetite alheado a uma boa dose de discernimento é essencial para a vida e significa felicidade, saúde e liberdade. O apetite é como o óleo para um motor, sem óleo o motor não trabalha assim como, não trabalha com óleo a mais.

A nossa capacidade de julgamento mais primitiva, aprisiona-nos num ciclo de satisfação das nossas necessidades sensoriais, sentimentais, intelectuais, sociais e ideológicas, enquanto a nossa capacidade de julgamento suprema nos permite uma melhor compreensão da ordem natural, capacitando-nos de um poder de discernimento em sintonia com o compasso do universo.

Eu admiro com todo o coração um bom apetite mas sem ser um apetite voraz próximo de um glutão. Não te aconselho a ser como tal. Mantém o teu apetite controlado, mesmo parecendo difícil ou mesmo impossível. Eu sei que esta recomendação moral não é bem vista pela sociedade. Se quiseres tornar este apetite eterno, mastiga cada garfada, pelo menos trinta vezes. Ao mastigares a comida de uma forma completa, automaticamente diminuis o excesso de comida, activas o funcionamento do maxilar e salivas.

Baseado num texto do livro “Philosophy of Oriental Medicine” de George Ohsawa

Written by thericeexperience

Dezembro 5, 2013 at 11:36 am

Publicado em Personalidades

Naboru Muramoto, Ulcera Gástrica – Caso De Estudo

leave a comment »

kuzu-drawingNo Japão, uma senhora de 39 anos com uma Ulcera Gástrica, veio ter comigo após ter visitado o hospital. Disseram-lhe que precisava de ser operada três dias depois. Relutante sobre o violento tratamento a senhora procurou a minha ajuda. Naquelas circunstâncias eu precisava de fazer alguma coisa rápida e eficaz, sorte a senhora estar disponível cheia de vontade de cooperar. Restringi a sua dieta e dei-lhe um chá de umeboshi-shoyu-gengibre-banchá. A umeboshi estimula a produção de saliva e a saliva é bastante alcalina. Ajuda a neutralizar o excesso de acidez estomacal que é a causa do aparecimento da Ulcera. Receitei também chá de 3 anos três vezes ao dia e arroz integral temperado com umeboshi uma hora depois do chá. Este prato é de fácil digestão e alcaliniza.
O tratamento foi imediatamente eficaz. No dia seguinte a senhora já se sentia melhor. Cancelou a operação e rapidamente curou a Ulcera.

Written by thericeexperience

Setembro 19, 2013 at 5:52 pm

Publicado em Doenças, Personalidades

Herman Aihara E O Poder De Cura

leave a comment »

herman

Caros leitores, gostaríamos de partilhar a razão da nossa ausência forçada. A fim de melhorar a exposição do blogue, trabalhámos com o Sapo a fim de migrar todos os conteúdos para outro domínio. Esse processo, ainda a decorrer, atrasou a publicação dos nossos posts. Ainda sem nada definido, asseguramos a continuação da exposição de assuntos que achamos relevantes.

Desta vez, escolhemos uma entrevista a uma pessoa que nos marcou bastante, pelo seu conhecimento, experiencia de vida e sabedoria. Para nós uma fonte de inspiração.

Pergunta: Pode falar um pouco sobre o poder de cura? Como pode ser activado?

Herman: Comendo arroz integral. Comer sempre cereais. Essa é a fonte do poder de cura.

Pergunta: E sobre o poder de cura psicológico?

Herman: O poder de cura psicológico é desenvolvido através da apreciação. A mente possui o maior poder de cura porque está conectado com o infinito. A mente torna-se o infinito. As preocupações ou sentimentos similares distanciam-nos do infinito. A mente é o infinito, mas os sentimentos pertencem ao corpo físico. A mente não pertence ao corpo.

Os distúrbios emocionais desequilibram a secreção das hormonas, que por sua vez controlam os órgãos. Se te sentes desequilibrado emocionalmente, então o funcionamento dos órgãos é prejudicado. Todos os órgãos estão sobre o comando das hormonas. As hormonas dependem muito do estado emocional. Mas se tiveres conectado com o infinito, paz de espírito, apreciação, fé, amor, então consegues controlar as emoções.

O maior desafio é controlar as emoções. Senão controlares as emoções, não controlas a paz de espírito. Ou a tua mente conecta-se com o infinito, ou tens de comer arroz integral todos os dias. É o que chamo de cura da psique. O poder de cura espiritual é imediato. Tu dizes, “Eu cometi um erro.” Tu tens comido carne e açúcar, mas um dia podes parar. Essa é a função da mente. “o açúcar não é bom para mim.” Quando compreendes, podes parar.

As emoções atraem o doce. Continuas a comer gelados. Continuas a comer junk food , coca-cola. Mas quando a tua mente reflecte claridade, chegas ao infinito da mente e consegues parar. Até parar de fumar, mas tens de perceber claramente. Essa é a função da mente. Depois consegues parar com os teus maus hábitos.

Pergunta: E sobre as doenças dos nossos tempos? As pessoas que vivem no futuro, ou que tendem a viver no passado? Como é que se curam as doenças do tempo? Já alguma vez experienciaste isto com os teus clientes?

Herman: A cura tem dois lados: A cura física e a cura psíquica. A cura psíquica é instantânea. Não leva tempo. A cura física leva tempo porque é feita de matéria. Se estás a construir uma casa e alguma parte do edifico tem erros de estrutura, tens de substituir a parte que está errada. A cura psíquica é como o conceito/desenho da casa. Se alguma coisa está errada, tem de se mudar o conceito. Esta é a função da cura da mente, é mais abstracta.

Pergunta: Quando acontece é instantânea, mas leva a uma grande preparação?

Herman: Isso mesmo. Tens de pensar nela durante muitos anos. Depois acontece instantaneamente. Mas quando a realizares, parece que aconteceu num segundo. Quando a cura acontecer, a tua vida muda num segundo. A agonia desaparece.

Written by thericeexperience

Abril 11, 2013 at 4:45 pm

Publicado em Personalidades

A Sabedoria De Hipócrates – Nós Somos O Que Comemos?

leave a comment »

O trabalho desenvolvido por Hipócrates ocupa um lugar de destaque na medicina, assim como a Bíblia na literatura e ética dos católicos. O mesmo hábito universal em parafrasear a Bíblia, acontece com os ensinamentos de Hipócrates, conferindo um carácter de autoridade e credibilidade inquestionáveis. Curioso o facto de que a maior parte dos indivíduos que o referenciam, nunca leram uma de suas obras.
Para os amantes da Filosofia, Hipócrates representa a racionalização de conceitos do conhecimento objectivo, através da libertação da ciência em geral, e da medicina em particular, de misticismo e influências demoníacas.
Para o estudante de saúde pública, representa exemplos clássicos das relações entre ambientes físicos e sociais e a sua prevalência e severidade, na sua relação com várias doenças.
Para o médico, oferece a descrição objectiva dos sintomas, métodos de diagnóstico, orientações em como lidar com o paciente, etc.
Durante 25 séculos, Hipócrates tem personificado no ocidente, a racionalização dos filósofos, a atitude objectiva dos cientistas, a abordagem prática de Asclepius (Deus Grego da medicina) e as tradições humanas de Hygeia (Deusa Grega da saúde).
Encontra-se implícito nos seus ensinamentos, que tanto a saúde como a doença estão debaixo do controle de leis universais que reflectem a influência do ambiente e da nutrição nos estilos de vida das civilizações. A saúde depende de um estado de equilíbrio de vários factores que governam as funções do nosso corpo e mente, este equilíbrio é atingido quando o homem aprende a viver em harmonia com o ambiente externo e interno.
Hipócrates defendia que, um indivíduo bem adaptado ao seu ambiente, dificilmente ficava doente, só em casos de acidente ou epidemia. Em épocas de epidemia, aconselhava os seus pacientes a seguirem o seu estilo de vida normal, de forma a não provocar grandes distúrbios fisiológicos e psíquicos.
Para Hipócrates, o médico devia conhecer os ciclos da natureza, assim como os hábitos do seu paciente, em relação à alimentação, bebida, ocupação, e não devia nunca esquecer que um distúrbio de um órgão, corresponde ao distúrbio de todo o corpo, e “…que mesmo para curar um olho, devemos curar primeiro a cabeça e o próprio corpo.”
Os seus procedimentos terapêuticos, tornaram-no num curador de grande e inquestionável reputação, a julgar pelas palavras escritas no seu túmulo: “Aqui descansa Hipócrates, que venceu inúmeras vitórias sobre a doença, com as armas de Hygeia.”

Baseado no livro de René Dúbios, “Mirage of health”

Written by thericeexperience

Novembro 27, 2012 at 11:04 am

Publicado em Personalidades