THE RICE EXPERIENCE

let food be the medicine

Archive for the ‘Alimentação Natural’ Category

CONSCIÊNCIA ALIMENTAR.

leave a comment »

20160525_132358

Um projecto cuja fase embrionária foi desenvolvida ainda durante o período em que no Lama Village se vivia a experiência e o sonho de crescer uma comunidade assente em éticas e práticas de base ecológica, comunitária e consciente.

Com a Dieta Mediterrânica como base de referência, este projecto faz agora parte do programa mensal daqueles que trabalham, colaboram e são voluntários nas diferentes esferas do Vale da Lama. Tal como escreve a Ana no primeiro artigo sobre o projecto, ‘Entre conversas e receitas surge da horta ao prato o Projecto Consciência Alimentar que promete tornar-se um acontecimento regular para a equipa do Vale da Lama.’

O projecto arrancou com um primeiro almoço focado na ‘Sensibilização para a Dieta Mediterrânica’, e focou o seu 2ºepisódio sobre o tema ‘Alimento Cru e vivo. Nutrição e digestão‘. Tive o privilégio de ser convidada para segurar o 3º episódio, que está marcado para breve, com o tema ‘Combinações Alimentares.

Aqui podem aceder aos artigos sobre as duas primeiras sessões:

Sensibilização para a Dieta Mediterrânica. da autoria de Ana Marreiro

Alimento Cru e vivo. Nutrição e digestão.Escrito por The Rice Experience.

Texto ‘The Rice Experience’; Imagem ‘Vale da Lama’.

Anúncios

Written by thericeexperience

Junho 8, 2016 at 2:33 pm

O que é a Alimentação Natural?

leave a comment »

IMG_6716

A Alimentação Natural é um dos principais factores que devemos ter em conta se procuramos uma vida equilibrada, ou seja, saudável, enérgica e feliz.

Aliada a noites bem dormidas (sono profundo e descansado, com um mínimo de 8h por noite, sem interrupções), exercício físico diário (adequado à nossa condição), rir e descomprimir, portanto, a uma vida social e familiar saudável e feliz, respirar e meditar, estar em contacto com a Natureza e evitar intoxicantes (drogas,  medicamentos, tabaco, álcool), a Alimentação Natural ocupa um papel importante na promoção e manutenção da nossa saúde e bem-estar.

Assenta sobre um conjunto de Éticas, como a escolha de Alimentos Locais, da Época e produzidos segundo métodos Biológicos ou Biodinâmicos e exclui os alimentos processados e industrializados, os alimentos produzidos segundo métodos intensivos e não integrados e todos os ingredientes não naturais. Tem em conta questões de saúde, sendo portanto uma ferramenta personalizada, aplicada de acordo com a condição e as necessidades de cada um.

Na Alimentação Natural é privilegiado o consumo de Alimentos frescos e integrais e de Alimentos Conservados segundo Métodos Tradicionais como a fermentação natural (aeróbia e anaeróbia), a desidratação ao sol, a Conserva em Sal, a Conserva em Vinagre, a Conserva em Açúcar (mel, fruta, etc), e outros. É dada  particular atenção aos alimentos lacto-fermentados não pasteurizados, que cumprem um importante papel na promoção da saúde e bom funcionamento do sistema digestivo.

Além de um forte aliado da Saúde integral, já que equilibra o organismo ao providenciar todos os nutrientes, vitaminas, aminoácidos essenciais, ácidos gordos, fitonutrientes e micro-organismos benéficos necessários, a Alimentação Natural também promove a Homeostasia. Ao privilegiar o consumo de alimentos locais, da época e biológicos, trás a energia própria da estação do ano e do local geográfico para o organismo, harmonizando-o e equilibrando-o com o meio ambiente próximo. Além disso, é Sustentável na medida em que estes alimentos implicam um menor consumo de energia na sua produção e distribuição.

Não se trata de um tipo de Dieta e não contempla restrições. Antes, distingue entre alimentos e não alimentos e tem como base a observação e integração da Natureza e das suas leis. Enquanto seres naturais, esta abordagem parece-nos a mais harmoniosa e sensata quando se trata de seleccionar o alimento que nos vai nutrir.

Texto e imagens: The Rice Experience

Written by thericeexperience

Maio 15, 2016 at 5:57 pm

Torna A Tua Saúde Sustentável

leave a comment »

Nos últimos anos, percebi porque é que o termo Macrobiótica significa longevidade. Uma verdadeira entrega à prática da Macrobiótica traz de retorno uma longevidade, que tem sido praticada por muitas pessoas por todo o mundo, de forma a promover saúde diária e bem-estar. O desafio de hoje é adaptar as práticas e princípios que foram ensinados pelos mestres do oriente, e utilizá-los em diferentes locais nas condições actuais.

Os alimentos locais são um bom ponto de partida. As cozinhas tradicionais são baseadas em alimentos locais. Existe um provérbio japonês que diz, ‘Shin Do Fu Ji’, e significa “o nosso organismo e a terra são um”. Para mantermos a nossa saúde sustentável, é importante mudarmos os alimentos que escolhemos para os que crescem localmente. Isto significa que a dieta vai estar em sintonia com o meio ambiente. O poder de nutrição e energia dos alimentos locais é incrível.

Além de comer localmente, é importante desmistificar as verdades e mitos do que significa a palavra saudável. Existem muita desinformação em relação à saúde. A questão do peso está no topo da lista. A alimentação natural é a chave para criar um peso saudável. Existem provas de que ser demasiado magro não é saudável e de que ninguém se devia restringir ao consumo de calorias. Uma dieta restritiva pode criar muitos problemas. Em vez disso, devíamo-nos focar apenas numa dieta saudável, assim como num estilo de vida saudável. Existem muitas verdades que estão a ser desencarceradas sobre o peso e a saúde. Muitas destas descobertas contradizem o estabelecido. Sugiro que visitem “Why BMI Is A Big Fat Scam” (link em baixo), para que se perceba como o índice de massa corporal está a ser usado para vender medicamentos.

A nutrição popular é outra área onde os mitos abundam. Muitas das dietas recomendadas hoje são pobres do ponto de vista nutricional. A Macrobiótica tradicional é sempre, do ponto vista nutricional, rica e abundante em nutrientes. Para otimizares a tua saúde, a melhor escolha, é sempre riqueza nutricional em vez de pobreza nutricional.

VISITE O LINK – BIG FAT SCAM

Traduzido de um texto de John Kozinski.

Written by thericeexperience

Março 23, 2016 at 11:20 pm

Publicado em Alimentação Natural

DENTES E GENGIVAS

leave a comment »

untitledA sabedoria do corpo determina quais as áreas do corpo propicias para receber os primeiros problemas de saúde, tornando as próximas manifestações mais profundas. Como as mandíbulas fazem parte do esqueleto, e os dentes precisam de tantos minerais como os ossos, problemas nos dentes e gengivas pode estar relacionado com a perda de cálcio.

De acordo com a minha experiencia, descobri que certos alimentos, parecem produzir efeitos nocivos nos dentes e no esqueleto mas mais a longo prazo. Por exemplo, alimentos ácidos como o vinagre, citrinos e tomates, quando comidos numa dieta baixa em gorduras, baixa em proteínas, pode danificar o esmalte dos dentes, podendo provocar dores. As dores de dentes parece afectarem primeiro os dentes que já têm cavidades ou cáries, mesmo que tenham sido tratados. No meu caso, quando bebi um sumo de laranja natural, todos os dias, durante um mês, um dos meus dentes sábios (o que tinha a maior cavidade), começou a doer-me abruptamente. O meu dentista não encontrou solução, a não ser arrancar o dente, procedimento no qual eu não estava preparada. Preferi tentar arranjar uma solução seguindo uma dieta “politicamente incorrecta” durante umas semanas: sem fruta, sem salada, sem vinagre, sem sumos, com bastante manteiga (de leite cru) e azeite (1ª pressão a frio) em tudo. Cheguei a exagerar no consumo de brie! Funcionou numa semana. Quando a dor desapareceu, cortei novamente nas gorduras, comendo fruta esporadicamente e saladas em quantidades modestas de molhos. Não tenho bem a certeza como funcionou, mas resultou. Eu simplesmente segui os meus instintos, no que respeita ao que senti que precisava naquela altura.

Traduzido de um texto de AnneMarie Colbin “Food and our bones”

Observação dos autores: Estas compensações feitas pela AnneMarie exigem um conhecimento muito profundo do tema alimentação. É necessário ter percorrido muitas experiencias nutricionais, para poder brincar com estes conceitos: Inyologia, acido/alcalino; hidratos/proteínas; omega3/omega6, etc. Não recomendamos de todo este tipo de experiencias, para quem tenha uma dieta sensorial e desregrada, baseada em alimentos processados. De qualquer forma, fica uma pequena dica do que tu mesmo podes fazer se começares a explorar o tema “food as medicine”.

Written by thericeexperience

Janeiro 7, 2016 at 5:30 pm

Quantidade De Sal INTEGRAL(NÃO PURIFICADO/SEM ADITIVOS) Que Podemos Comer

leave a comment »

packet-of-table-saltQual a quantidade de sal que podemos comer, quando é que estamos a usá-lo em demasia?

Herman: Quando temos sede, quando temos dores na zona dos rins ou quando a urina é muito amarela.

Podemos ter problemas de rins ao não comer sal suficiente?

Herman: Pode acontecer porque os rins precisam de sal. É muito importante para o nosso organismo ter sal. Esta é a principal razão pelas quais os animais seguem os humanos, para encontrar sal. Quando os animais nos seguem, eles encontram sal facilmente. Foi assim que começou a domesticação dos animais. Os animais mais inteligentes encontram sal em qualquer lado. Os carnívoros comem o sal dos outros animais, que se encontra no sangue. A maior quantidade de sal é encontrada no fígado. A maior parte dos animais carnívoros comem primeiro o fígado, por ter a maior quantidade de sal.

Quando se come muito sal, conseguimos ver-nos livres de velhos depósitos nos intestinos e fígado? Ou é necessário, nessa altura cortar no sal? Ou conseguimos a libertação desses velhos depósitos a comer mais sal?

Herman: Eu penso que o sal é armazenado no fígado. Os americanos provavelmente têm demasiado sal no fígado, proveniente dos seus hábitos antigos de comer carne. Nós sabemos que a carne tem sal, assim como a galinha e o queijo. Já têm sal armazenado, essa é a razão para que não possam comer mais. Desta forma, a dieta é sem sal, dieta que eu não posso fazer. Nós costumávamos viajar para darmos palestras e ficávamos muito fracos por causa da dieta americana.

Os americanos comem uma sopa de miso quase sem miso. Em Miami a sopa era fraca, impossibilitando-nos de produzir energia, originando a perca de apetite. O sal promove a osmose e nutrição, sendo transferido pela osmose.

Se não comeres sal suficiente, a osmose baixa surgindo problemas de nutrição, como por exemplo, quando a glicose ou a gordura ou os aminoácidos não são assimilados pelas células. Por isso ficamos fracos. Se já tiveres sal no fígado, podes manter a osmose. Por isso digo que os americanos podem comer menos sal. Os Japoneses não o têm armazenado, por isso podem comer mais sal.

Traduzido de uma entrevista de Herman Aihara

Nota dos autores: Quando falamos de Sal, não falamos de sal de mesa ou de sal grosso purificado. Estes são demasiado nocivos para a saude devido ao processo produtivo que estão sujeitos. Fica aqui dois links a explicar melhor o porquê do sal purificado ser um veneno. Mas basicamente, para fazer frente a alguns problemas de saude, adicionou-se iodo. O problema é que para tornar o sal branco de novo, é necessário incluir uma serie de ingredientes, incluindo o açucar. Arriscamo-nos a dizer que, mal de nós que os problemas de saude gerais provocados pelo sal, fossem provocados pelo sal marinho integral ou flor de sal. 99,9% dos restaurantes, hipermercados, pastelarias, etc usam o sal processado.E assim continuará, enquanto continuarmos a achar que quanto mais barato for a comida melhor.

Sugestão, como tudo o que se consome em excesso faz mal, o Sal não foge á regra. De qualquer forma consumir sempre sal sem mais ingredientes adicionados.

                                         O Sal Quimico E a Sombra Da Hipertensão

Beneficios Da Flor De Sal

 

Written by thericeexperience

Novembro 24, 2015 at 5:24 pm

Publicado em Alimentação Natural

Alimentação Saudável Também É Sobre A Forma Como Te Alimentas…

leave a comment »

Oct-4-1-News-Hub-Images-620x315Uma alimentação saudável providencia um equilíbrio completo de energia e nutrientes. Não existe necessidade de contar calorias ou calcular as quantidades de determinado nutriente num alimento.

É saudável comer 2 a 3 vezes dia, cereais integrais, vegetais, proteína vegetal, algas e clorofila na forma de vegetais de folha verde. Antes de digerir é muito importante mastigar cada garfada 50 vezes ou mais, até se tornar liquido. Como Gandhi dizia, ‘bebe os líquidos e mastiga os sólidos’. Assim, come quando tens fome, evitando comer de mais. Exactamente a mesma coisa com os líquidos, bebe quando tens sede, mas não deixes de beber. Evita comer 3 horas antes de ir para a cama, porque pode provocar a estagnação dos intestinos e de todo o organismo sobrecarregando muito o pâncreas, o que contribui para hipoglicémia, distúrbio de rins e bexiga.

Antes e depois da refeição agradece a refeição à criação, ao universo, multiverso ou à natureza, pela comida que recebeste, o que se vai reflectir na tua saúde e felicidade. A apreciação pode-se transformar num estado de graça, reza, meditação, mantra ou até mesmo puro silencio. Exprime a tua gratidão aos teus pais, avós e gerações passadas que nos nutriram transferindo-nos os seus sonhos através das plantas e animais que deram a vida para que nós vivêssemos, e aos agricultores, produtores, distribuidores, retalhistas e cozinheiros que contribuíram com as suas energias de forma a tornar os alimentos disponíveis.

É importante também reflectir sobre o teu estado físico, mental e espiritual. Perde alguns minutos a reflectir sobre os acontecimentos do dia, os pensamentos, sentimentos e comportamento. Tenta conectá-los com a tua dieta, especialmente alimentos consumidos nas últimas 24 horas. Em breve um padrão irá surgir, e vais saber de uma forma intuitiva quais os efeitos que diferentes alimentos e líquidos têm na tua saúde diária e felicidade.

Texto The Rice Experience

Written by thericeexperience

Outubro 29, 2015 at 12:50 pm

A Macrobiotica Não É Uma Dieta Standard

with 2 comments

slide3

Na Macrobiótica a doença é entendida como a parte detrás da saúde. Não importa o quanto uma pessoa fica doente, ele ou ela tem sempre saúde. Por outro lado, de vez em quando ficamos doentes. Mesmo não estando atentos, o nosso sistema imunológico cuida de nós constantemente lutando contra bactérias nocivas. Quando percebemos uma doença é sinal que a mudança é necessária para nos ajudar a passar da doença para a saúde. A Macrobiótica proporciona uma mudança na dieta. Ao nível filosófico proporciona uma mudança de pensamento e espiritualmente uma mudança de atitude.

A dieta macrobiótica permite que o corpo se cure, eliminando as toxinas dos alimentos processados. Deste modo, nas doenças causadas por excessos alimentares, em particular excesso de toxinas, a Dieta Macrobiótica funciona muito bem. Doenças de deficiência ou por causas emocionais, psicológicas ou espirituais, na maioria das vezes precisa mais do que mudança na dieta.

Tenho amigos que seguiram a dieta à risca e não tiveram êxito. Um amigo em particular foi acompanhado por Michio Kushi e Herman Aihara ao longo de vários anos. Nenhuma das recomendações funcionou. Depois de consultar vários médicos sem sucesso, ele encontrou um especialista que diagnosticou uma doença óssea extremamente rara diagnosticando um remédio específico.

No caso do meu amigo era necessário mais do que a Dieta. Assim, podemos concluir que a abordagem dietética macrobiótica só por si não funciona em 100 por cento das pessoas. Às vezes, a doença ganha. Visto de uma perspectiva mais ampla, a Dieta é mais do que um processo de cura e estilo de vida. A Macrobiótica completa inclui tudo, até o médico que tratou o meu amigo e o remédio que ele receitou.

É normal, as pessoas procurarem uma cura macrobiótica completa ao usar uma prática macrobiótica parcial. No entanto, uma prática macrobiótica parcial só pode levar a uma “cura” parcial. A prática macrobiótica completa inclui orientações dietéticas, estudo da filosofia e meditação diária conectando com o infinito. Doença ou saúde, tristeza ou alegria, o conflito ou a paz são aceites com a mesma gratidão e são vistos como percepções temporárias que mudam, dependendo da nossa compreensão e prática.

Baseado num texto de Herman Aihara

 

Written by thericeexperience

Julho 21, 2015 at 12:08 pm